top of page
young-beautiful-businesswoman-with-dark-short-hair-in-white-shirt-happily-working-on-lapto
a-removebg-preview_edited.png

SMED (Single Minute Exchange of Die): O que é e como aplicar na sua empresa.



Como reduzir custos e aumentar o lucro?

É possível tornar meus processos mais rápidos?

De que forma deixar meu cliente mais satisfeito?

Essas perguntas são a chave de empresas de sucesso. Com essa técnica você pode respondê-las!

O que é SMED?


Single Minute Exchange of Die (SMED)” pode ser traduzido para o português pela expressão “Troca Rápida de Ferramenta (TRF)”. Tem esse nome porque a troca de ferramentas para realizar diferentes atividades ao longo da produção podem gerar muito desperdício de tempo, portanto acelerar esse processo é a base para otimizar os resultados.

É uma metodologia Lean, criada na década de 1960 pelo japonês Shingeo Shingo, que tem foco na redução do tempo para executar operações de setup, ou seja, acelerar as trocas de ferramentas durante cada etapa da produção.

O pit-stop da Fórmula 1 é um exemplo famoso para explicar uma aplicação prática da metodologia, onde é possível uma equipe com mais de 20 pessoas executar operações simples em conjunto e finalizar a produção em menos de 2 segundos.



(Imagem por Google)

De modo geral, o método deve obter tempos de setup com apenas 1 dígito, ou seja, sempre abaixo de 10 minutos, e quanto mais reduzido o tempo, melhor. Além disso, com essa aplicação, os processos ficam mais organizados e precisos, o que gera menor possibilidade e garante uma qualidade maior do produto ou serviço.



Como funciona o SMED?


O princípio da metodologia se baseia na divisão entre operações internas e externas.


  • Operações internas Atividades que só podem ser realizadas enquanto a produção está parada. No caso do pit-stop temos como exemplo os testes, ajustes, trocas, montagens e desmontagens.


  • Operações externas Atividades que independem da produção, podem ser feitas em paralelo e simultaneamente, já que são preparos para a produção em si. São exemplos: Calibragem, organização e limpeza.

É recomendado que ao aplicar o SMED, ao menos 20% do tempo seja reduzido, para se ter uma ideia da eficácia do método.


Quais os benefícios do SMED?


Alguns benefícios já ficaram claros até aqui, mas vamos detalhar ainda mais para que você possa medir os resultados após a aplicação da ferramenta:

1. Custo de produção reduzido:

Menor tempo de produção gera menor gasto com recursos e diminuição de custos fixos, uma vez que menos tempo é necessário na utilização dos mesmos;

2. Aumento da capacidade produtiva:

Com ciclos de produção mais ágeis, sobra mais tempo para que haja ainda mais ciclos em um mesmo período de tempo;

3. Eliminação de retrabalho e desperdício:

Planejando os processos e sincronizando-os, não ocorre a necessidade de deixar trabalhos incompletos e inefetivos a serem refeitos, evitando desperdício não só de tempo, mas também de materiais;

4. Resposta mais rápida para as demandas e cliente satisfeito:


Com o ciclo de produção acelerado, é possível oferecer lotes menores, o que significa menos tempo de espera para o cliente ao aguardar a próxima leva de produtos/serviços;

5. Implementação simples e resultados rápidos:

Assim que a metodologia é aplicada já é possível observar melhoras significativas em todos aspectos citados anteriormente, necessitando apenas de melhoria contínua para aperfeiçoar as operações, com treinamento da equipe responsável.