Conheça os indicadores financeiros de uma empresa e sua importância

Os indicadores financeiros de uma empresa são muito importantes para se ter uma organização financeira, principalmente para saber agir em tempos de crise como a que estamos vivendo atualmente.


Porém, muitas vezes, o pequeno e médio empreendedor tem dificuldades para criar uma rotina de organização financeira adequada para o seu empreendimento, prejudicando a elaboração de análises que iriam ajudar nas tomadas de decisão.


E aí você deve estar se perguntando: Como faço para conseguir análises interessantes sobre o meu negócio?


Fique tranquilo que nós, da Focus Consultoria, iremos te apresentar os Indicadores Financeiros. Tenho certeza que eles serão ótimos aliados para a sua empresa.


Está preparado para transformar a sua organização interna? Então continue lendo o texto para entender como implementar e qual a importância de se ter indicadores em seu negócio.


O que são Indicadores Financeiros e para que servem?


Os Indicadores financeiros de uma empresa são métricas de performance, utilizadas para medir o desempenho e o quão saudável financeiramente está a sua empresa. Eles são extremamente importantes para uma boa gestão, já que fornecem informações essenciais para a análise de seu negócio, assim como auxiliam nas tomadas de decisão.


“O que pode ser medido, pode ser melhorado”, disse Peter Drucker, o “pai da administração”.


Como implementar os indicadores financeiros na rotina financeira da sua empresa?


Inicialmente, faz-se necessário ter um Fluxo de Caixa bem detalhado.


Mas o que é Fluxo de Caixa?


Resumidamente, Fluxo de Caixa é uma ferramenta, muitas vezes elaborada em uma planilha de Excel, que tem como principal finalidade o registro de todas as transações financeiras que ocorrem no caixa e, assim, ter o controle sobre seus gastos e receitas.


Para manter o Fluxo de Caixa atualizado, o gestor precisa ter disciplina e bastante organização, já que, normalmente, a atividade de preenchimento é feita mensalmente.


Após ter o controle sobre todas as entradas e saídas do caixa, é importante que o responsável defina as questões interessantes a serem analisadas no empreendimento para, posteriormente, planejar estratégias e metas que deseja alcançar.


E é nessa hora que entram os Indicadores Financeiros da sua empresa!


Principais Indicadores Financeiros de uma empresa


É importante observar que existem diversos tipos de indicadores e que não é preciso ter todos em seu negócio, já que toda empresa tem suas particularidades e necessidades próprias.


Então, separamos os indicadores financeiros mais utilizados e interessantes para pequenas e médias empresas.


Os indicadores financeiros são separados em 5 categorias: Atividade, Lucratividade, Rentabilidade, Estrutura de Capital e Liquidez.


Indicadores de Atividade:


Os indicadores de atividade servem para mensurar a performance das diversas etapas do ciclo operacional da empresa, analisando o tempo que irá levar para transformar as contas em vendas ou em caixa.


  • Giro de Caixa:

O giro de caixa informa o número absoluto de vezes que o capital circula em um ano, ou seja, quantas vezes o dinheiro investido em algo (estoque, por exemplo) retornou ao caixa em forma de receita.


É um indicador muito importante para empreendimentos que dependem de fluxo de vendas e estoque, visto que analisa a eficiência operacional e financeira do negócio.


O cálculo é feito a partir da seguinte operação:


Giro de Caixa = 365 / Ciclo Financeiro.


Para encontrar o valor do Ciclo Financeiro, basta somar, em dias, o prazo médio de estoque, o prazo médio para receber as vendas e o prazo médio para pagar os fornecedores.


Dessa forma, quanto mais alto for o Giro de Caixa, mais eficiente é o sistema operacional da empresa.


  • Capital de Giro:

Capital de giro é o conjunto de valores necessários para que a empresa tenha condição de se sustentar em determinado período.


É muito utilizado para controlar questões relacionadas a prazos, já que, muitas vezes, o dinheiro investido em estoque, por exemplo, demora a retornar ao caixa, tornando-se imprescindível uma análise desse indicador.


O cálculo do Capital de Giro é feito com a seguinte fórmula:


Capital de Giro = Ativo Circulante – Passivo Circulante.


Vale ressaltar a importância de se ter um Fluxo de Caixa bem detalhado, visto que esse dispõe de todas as operações feitas no caixa.


Com isso, quanto mais precisa for a organização do Capital de Giro, maior é o controle sobre a capacidade de investimento da empresa.


Indicadores de Lucratividade:


Como o nome já diz, os indicadores de lucratividade são responsáveis por indicar a lucratividade de um produto ou serviço em relação à receita total e, assim, possibilitar análises sobre a necessidade de investimento ou corte de determinada venda.

  • Margem Bruta:

A margem bruta indica a porcentagem de lucro bruto que se obtém em cada venda, considerando apenas os custos que estão envolvidos diretamente na produção de determinado produto, como matéria-prima, frete, entre outros.


Com isso, não são levados em conta gastos administrativos e impostos, por exemplo.


O cálculo da Margem Bruta é bem simples.


Basta fazer a seguinte equação para o produto ou serviço que deseja analisar:


Margem Bruta = (Lucro Bruto / Receita Total) x 100


Dessa forma, quanto maior for a porcentagem da Margem Bruta, mais lucrativo é aquele produto.


  • Margem Líquida:

Esse indicador é bem parecido com a Margem Bruta que falamos anteriormente. A diferença é que a Margem Líquida, além de gastos diretamente relacionados à produção, considera despesas e impostos no custo de determinado produto, fazendo com que se chegue ao lucro real (lucro líquido) que aquela venda gera para a empresa.


A porcentagem da Margem Líquida é calculada da seguinte forma:


Margem Líquida = (Lucro Líquido / Receita Total) x 100


Assim, quanto maior a Margem Líquida, mais lucro a empresa tem sobre aquele produto ou serviço.

Indicadores de Rentabilidade:


Os indicadores de rentabilidade detectam o lucro da empresa em relação às receitas geradas pelas vendas, capital investido e ativos, permitindo analisar a rentabilidade dos produtos e serviços no geral.

  • Margem Operacional:

Apesar de não ser considerado um indicador de lucratividade, a margem operacional se parece muito com a Margem Líquida e Margem Bruta. Porém, ela é o meio termo dentre as três.


Isso pois o lucro operacional se dá a partir do valor de venda descontado do custo do produto, no qual são considerados apenas os gastos diretamente relacionados à produção e as despesas operacionais da empresa, não levando em conta taxas e impostos, como no lucro líquido.


O cálculo é feito com a seguinte fórmula:


Margem Operacional = (Lucro Operacional / Receita Total) x 100


É um indicador muito interessante para ajudar o empresário a entender qual é a participação das suas atividades operacionais na receita total da empresa.


Com isso, quanto mais alta for a porcentagem da Margem Operacional, maior é a capacidade de gerar lucro com sua atividade operacional antes da dedução de impostos e taxas.


  • Margem de Contribuição:

A margem de contribuição representa quanto o lucro da venda de cada produto contribuirá para a empresa cobrir todos os seus custos e despesas e ainda gerar lucro. Quando esse indicador não é conhecido, sua empresa corre o risco de estar gerando prejuízo mesmo tendo um alto volume de vendas.


Por isso, a Margem de Contribuição é muito importante para avaliar se os produtos estão sendo rentáveis, assim como a quantidade mínima que deverá ser vendida para que gere lucro.


Para calcular a porcentagem da Margem de Contribuição, basta realizar a equação a seguir:


Margem de Contribuição = [ ( (Valor da Venda) – (Custos Variáveis + Despesas Variáveis) ) / (Valor da Venda) ] x 100


Portanto, a partir da análise desse indicador, é possível planejar estratégias, estabelecer metas e ajustar preços de maneira com que as vendas gerem lucro para o empreendimento.


Indicadores de Estrutura de Capital:


Os indicadores de estrutura de capital têm a função de indicar o quanto a empresa depende de capital de terceiros para alavancar suas operações, apontando, também, o grau de risco financeiro do empreendimento.

  • Endividamento Geral:

O endividamento geral é utilizado para análise da saúde financeira de uma empresa, pois representa a proporção dos ativos que está comprometida com dívidas a terceiros.


O cálculo é feito da seguinte forma:


Endividamento Geral = (Capital de terceiros / Ativos totais) x 100


Com isso, quanto menor o endividamento geral da empresa, melhor.


  • Cobertura de Juros:

A cobertura de juros aponta se o lucro operacional da empresa é suficiente para quitar suas dívidas. Esse indicador é muito importante para que você se organize e se planeje em relação aos juros e, assim, ter um maior controle sobre a situação financeira de seu negócio.